Visitantes

terça-feira, 30 de maio de 2017

textos sobre consumo 9º Ano

Texto 1 
O consumo na adolescência 

Os adolescentes são um público muito visado por certas marcas, essa parcela do mercado consumidor é uma fonte de dinheiro para diversas companhias. Os veículos de comunicação usam a principal característica do adolescente (se sentir aceito) para explorarem a vontade de consumo na adolescência. É necessário que os pais não cedam às vontades de consumo dos filhos.  
O consumo na adolescência é algo que deve ser analisado, pois pode se tornar um problema para a família. Muitos adolescentes acham que para se auto afirmarem precisam da roupa da marca X, do celular Y e, normalmente, essas marcas são mais caras do que de lojas de departamento. Muitos pais acabam gastando mais do que podem apenas para satisfazerem os prazeres dos filhos.  
O maior problema de satisfazer a vontade do adolescente é de que esse prazer é momentâneo, em alguns dias algo novo será lançado e esse adolescente vai querer consumir de novo. Um dos maiores incentivadores do consumismo adolescente são os meios de comunicação. Eles ditam tendências e os adolescentes querem segui-las.  
Outro fator que potencializa o consumismo é o fetichismo da mercadoria. Os produtos deixaram de ser apenas algo para se usar e passaram a ser adorados, você não precisa ter 10 bolsas, 50 pares de sapato, 30 vestidos, mas você quer ter. O fetichismo da mercadoria é um dos motivos do consumismo exacerbado da nossa sociedade. 




Texto 2 
Jovens estão cada vez mais consumistas, diz pesquisa 

Mundo capitalista de hoje, modismos e baixa auto-estima incentivam cada vez mais os jovens a consumirem sem necessidade, o que segundo psicóloga podem ser sinal de uma doença. 

CAROLINA VERTEMATTI 

Passar em frente a uma vitrine de loja e não levar nem uma peça sequer é um desafio para muitos consumidores, sobretudo para as mulheres que sempre levam a fama de consumistas ao extremo. Neste mesmo pensamento, estão os jovens entre 16 e 26 anos, que representam quase metade dos consumidores de um shopping center, de acordo com pesquisa divulgada pelo Sindicato do Comércio Varejista de São Paulo. 
O maior problema, segundo a psicóloga infanto-juvenil Susan Noce Perboni, é que o excesso de compras pode se tornar uma doença. “Comprar se torna uma doença quando em determinada fase o jovem só se sente bem e afetivamente feliz se puder ir ao shopping gastar dinheiro com roupas, tênis e acessórios. Se preocupar demais com a aparência e se valorizar através do ter e do ser é muito perigoso. Isso mostra algum distúrbio emocional”, explica a dra. Susan. 
O consumismo na juventude também está atrelado ao grande estímulo das propagandas voltadas para este público, mas sem dúvida um dos principais motivos é o amadurecimento tardio dos jovens de hoje. 
“O alvo da mídia publicitária hoje são as crianças e adolescentes que compram demais. Mas o grande fator para eles comprarem é o medo de não ser aceito em determinado grupo de amigos por estar fora da moda, por exemplo. Isto só acontece, pois os jovens estão imaturos e com auto-estima baixa, tendem mais a se influenciar pelo grupo, como forma de auto-afirmação”, afirma a psicóloga. 
Raras vezes a designer de interiores Mayra Gricoli Iokoi, de 26 anos, sai do shopping sem comprar nada. Consumista assumida, ela diz ter controle e sabe o quanto pode gastar. “Eu sei que compro muitas coisas sem necessidade, mas se não compro, saio com sentimento de culpa por não ter comprado. Meu pai acha um absurdo o quanto eu gasto e o quanto eu tenho de coisa, mas eu tenho controle de quanto posso gastar e quando tenho que parar”, explica Mayra. 
*Nem todos os casos são de controle como o de Mayra. A estudante do 3º ano do ensino médio de Santo André, Isabella Godim, de 16 anos, está numa fase consumista e se não são os pais a controlá-la, todo o dinheiro da mesada vai com besteiras. “Eu não junto dinheiro. O que ganho gasto. Às vezes levo broncas e deixo de comprar. Acho que os meus pais fazem uma poupança para mim”, diz a jovem. 
Para a psicóloga a melhor forma de tratar jovens consumistas é com o diálogo e mostrar, sobretudo, que quando se poupa um dinheiro e adquire algo que julgue importante aumenta a valorização do quanto se ganha e a responsabilidade com o dinheiro passa a ser do jovem. 
“Os pais dão o dinheiro e podem orientá-los como gastar. É importante estimular as crianças desde pequenas a juntar um dinheiro, para depois comprar algo que queriam muito. Evitar dar presentes sempre é outra forma de fazê-los diminuir o grau de insatisfação e querer demais. O tempo de espera para uma data comemorativa aumenta a valorização do adquirido”, acredita a dra. Susan Noce Perboni. 

http://www.metodista.br/rronline/noticias/entretenimento/pasta-3/jovens-estao-cada-vez-mais-consumistas. Acesso em 24 de maio de 2017.

Um comentário: